Banner da zona
   

Centro Ciência Viva de Estremoz | Contactos | Mapa do Site | Versión Española

 

Exposições
Ver o Presente...

Numa Terra com uma população de quase 7 mil milhões de habitantes (…e que não pára de crescer) não é de estranhar que "milhares de milhões", "teras" ou "gigas" sejam expressões frequentes. Mas, apesar da frequência com que as ouvimos, a sua enorme dimensão leva a que na realidade nos escape quase sempre o seu verdadeiro significado. E, no entanto, quase sempre elas estão associadas a situações relacionadas com a sustentabilidade da nossa Sociedade; a compreensão dos grandes números torna-se pois imprescindível se quisermos tomar consciência dos enormes desafios que se nos colocam actualmente. Mas, quando começamos a perceber o real significado dos números que vamos ouvindo quase sempre ficamos esmagados pelo que eles nos revelam… apenas um exemplo:

  • Se numa refeição todos os portugueses comerem arroz e se deixarem 10 grãos no prato… são 100 milhões de grãos de arroz que vão para o lixo e, como um quilo de arroz são 50 000 grãos isto significa que a cada refeição existem duas toneladas de arroz que são produzidas não para serem comidas mas para irem directamente para o lixo! E quantos de nós não deixamos muito mais? E se o exemplo em vez de ser com Portugal for com a China? E se em vez de grãos de arroz falarmos de telemóveis? E se pensarmos que para produzir um quilo de arroz se utiliza pelo menos 2 000 litros de água (… passamos então a falar de 4 milhões de litros de água!)…
Esta forma de pensar (isto é a realização de contas muito simples) quando aplicada a algumas das notícias que ouvimos diariamente, pode ajudar a ter uma ideia da dimensão do problema que enfrentamos; os exemplos são inúmeros e a dificuldade é apenas na escolha:
  • Recentemente tem sido dado grande destaque ao petróleo do chamado pré-sal do Brasil que várias estimativas apontam para a existência de reservas que totalizam 70 a 80 mil milhões de barris; trata-se de uma das principais reservas existentes na actualidade e uma das grandes reservas que foram descobertas nas últimas décadas… sem dúvida uma quantia imensa! Mas… o Mundo consome anualmente mais de 31 mil milhões de barris de petróleo e, todos os anos este número aumenta! Isto significa que, se todo o petróleo existente no pré-sal conseguir ser retirado (situação que não está ainda garantida devido aos enormes desafios técnicos que é necessário ainda vencer) "apenas" assegurar o consumo mundial de pouco mais de 3 anos… e estamos a falar de uma das maiores reservas de petróleo.
  • Nas últimas décadas tem-se verificado que a cada 12 ou 13 anos o nosso planeta passa a ter mais mil milhões de habitantes. Se pensarmos a dar a cada um dos novos habitantes uma lâmpada de 60 W e se pensarmos que a lâmpada mais a embalagem podem pesar 200 g, estamos a falar de 20 mil toneladas de materiais, ou seja o equivalente a 15 mil automóveis… E estamos apenas a falar da lâmpada… não falamos dos materiais para os fios, os postes ou os casquilhos... Se agora quisermos acender cada lâmpada 4 horas por dia… passamos a falar de 10 000 Megawatts ou seja da necessidade de 500 novas centrais de 500 Megawatts…
  • A produção de muitos dos produtos que consumimos abundantemente foi produzida utilizando quantidades enormes de água. Quando se contabiliza todo o processo de produção / distribuição os números são… assustadores:
      - 1 hambúrguer de 120 gramas… 11 000 litros de água!
      - 1 quilo de arroz… 2 000 a 5 000 litros de água!
      - 1 quilo de queijo… 5 000 litros de água!
      - 250 gramas de algodão para fazer uma T-shirt… 5 000 litros de água!
      - 1 tonelada de aço… 150 000 litros de água!
      - 4 pneus… 114 000 litros de água!
Como se percebe os desafios que se colocam ao chamado "desenvolvimento sustentável" são enormes, talvez mesmo insuperáveis. Para muitos cientistas o estilo de vida atingido pelas sociedades consideradas desenvolvidas já ultrapassou aquilo que é sustentável, pelo menos se quisermos que faixas maiores da população atinjam níveis de vida semelhantes.

 



 

   

© Centro Ciência Viva de Estremoz, 2017 | Ficha Técnica | Contactos